O que não dizer a uma pessoa em processo de luto

“O silêncio também fala, Fala e muito!
O silêncio pode falar mesmo quando as palavras falham”. (Osho)

O luto é um processo normal de elaboração diante de um rompimento de um vínculo. Este processo se iniciará por perdas reais e/ou simbólicas, ou seja, cotidianamente nós passamos por este processo e ele será vivenciado por toda a nossa existência. Contudo, o luto fica mais em evidência após a morte de um ser humano.

Possivelmente, neste exato momento, você conheça alguém que esteja vivenciando um processo de luto. Como na nossa sociedade moderna pouco falamos ou se quer pensamos sobre a morte, então, em muitas situações, não sabemos o que dizer ou até mesmo como agir diante de uma pessoa enlutada. Muitas vezes, as palavras são absolutamente ineficazes e, às vezes, no desejo de querer confortar a pessoa enlutada, podemos dizer coisas que, na verdade, podem piorar a situação.

Quando estamos diante de uma pessoa enlutada devemos ter muito cuidado com as palavras, pois a necessidade de dizer algo pode ser mais constrangedora que o silêncio. Uma palavra dita inadequadamente pode ter um impacto devastador para alguém que está vivenciando um momento de extrema fragilidade. Na minha prática clínica ouvi muitos pacientes comentarem sobre frases que lhes foram ditas e que não lhes ajudaram em nada. Ao contrário, muitos expressaram tristeza e até mesmo raiva por essas frases. Por isso, preparei uma lista de frases para que possamos refletir sobre o que não dizer a uma pessoa em processo de luto.

– Quando uma pessoa morre após um longo período de internação por doença sem possibilidade de cura:
“Pelo menos ele(a) agora não está mais sofrendo” – “Ele(a) agora está num lugar muito melhor que nós” – “Deus sabe sempre o que faz” – “Tudo nesta vida tem uma razão” – “Deus não nos dá tristezas que não possamos suportar” – “Ele(a) já tinha idade viveu bastante”…

Estas frases, eu as escuto desde criança e são muito marcantes. Cuidado! Por gentileza, tenha muito cuidado ao usá-las. Precisamos nos certificar se de fato, naquele momento, a pessoa professa alguma crença religiosa e se ela está receptiva a ouvir qualquer comentário de cunho espiritual. Caso contrário, essas frases podem ser interpretadas como invasivas e incômodas.

– Quando uma mãe e/ou pai perdem um filho e estes possuem outros filhos:
“ Pelo menos você tem outros filhos” – “Vocês são jovens e ainda poderão ter outros filhos” – “Agora ele é uma estrelinha no céu” – “Seja grato(a) por ele ter estado em suas vidas, mesmo que por pouco tempo” – “Ele(a) agora será mais um anjinho no céu”…

Um dos lutos mais difíceis de serem elaborados é quando os pais perdem um filho. Então, imaginem o que é ouvir estas frases durante o processo de luto. Para esses pais um outro filho jamais substituirá aquele que morreu.

– Quando um homem ou uma mulher torna-se viúvo e/ou viúva:
“Você é jovem com certeza encontrará outro companheiro(a) – “Hoje em dia tem muitos viúvos(as) em busca de alguém”…

Cuidado, pois a pessoa que acabou de perder seu companheiro(a) ao ouvir estas frases pode achar que você está insinuando que aquela pessoa que morreu não era tão amada e pode ser facilmente substituída.

– Quando transferimos para o tempo a solução de todos os problemas:
“O tempo cura todas as dores” – “Isso leva tempo, mas não se preocupe, vai passar”…

Sim, o tempo é algo importante. Até mesmo nós terapeutas, quando atendemos uma pessoa enlutada, precisamos saber há quanto tempo aquele paciente está em processo de luto. Mas precisamos compreender que, quando uma pessoa perde alguém querido, a vida demora um certo tempo para voltar ao normal. Ao ouvir estas frases a pessoa pode ter a impressão de que há um prazo de validade para a sua dor e que precisam se recuperar logo. Contudo, pode ser que algumas pessoas demorem uma eternidade para se recuperarem da perda que tiveram.

Meus sentimentos!

– Quando queremos encorajar uma pessoa a voltar para vida cotidiana:
“Bola para frente, você precisa sair de casa” – “Você sempre foi tão forte” – “Para de chorar, ele(a) não fica feliz com isto de lá onde ele(a) está”…

Certamente, ao dizer estas frases a pessoa está querendo de alguma forma encorajar a pessoa enlutada a retomar seu cotidiano. Mas elas podem ser prejudiciais para a elaboração adequada do luto. O indivíduo pode sentir-se inibido de demostrar a sua dor e isto pode causar complicações psíquicas futuras. Talvez neste momento de profunda dor a pessoa queira mostrar a todos o quão ela também é frágil e que possui fraquezas. A pessoa em processo de luto precisa expressar a sua dor.

– Quando há comparações:
“Sei exatamente o que você está sentindo, pois aconteceu comigo” – “Não sei se serve de consolo, mas o meu caso foi bem pior que o seu, porque…” – “Nossa, eu chorava o dia inteiro”…

Cada pessoa é única e cada qual sente e percebe as situações do cotidiano de uma maneira. Posso afirmar que nunca alguém saberá exatamente o que o outro está sentindo. A pessoa pode achar que a pessoa está menosprezando a sua dor.

– Quando há curiosidade:
“Mas, exatamente como ele morreu? ” – “Me disseram que ele(a) morreu de maneira trágica, como foi?”…

Não existe nada mais inapropriado do que alguém ficar perguntando os detalhes sobre como a pessoa morreu ao enlutado. Neste momento, caso a pessoa queira falar sobre o ocorrido, apenas ouça. Não faça perguntas apenas para satisfazer a sua curiosidade.

Não tenho dúvidas de que as pessoas dizem as frases citadas acima com as melhores das intenções, pois a maioria não sabe o que dizer num momento de morte. Com certeza, estar ao lado de uma pessoa em processo de luto não é uma tarefa fácil, mas devemos ter muito cuidado com as palavras ao tentarmos “amenizar” a dor de uma perda.

Com efeito, se você estiver com dificuldade de expressar seus sentimentos em palavras, então, diga apenas o necessário – “Eu sinto muito pela sua perda, meus sentimentos”. Às vezes, um forte abraço pode “dizer” mais que mil palavras. Eu penso que uma frase interessante seja: “O que eu posso fazer para ajudá-lo?”. Pois, quando a pessoa está em processo de luto, muitas vezes, não tem condições psíquicas para pensar nas coisas básicas do cotidiano. Então, colocar-se à disposição para alguns afazeres do dia-a-dia pode ser de grande valia para seu amigo e/ou familiar enlutado.

O importante é que a pessoa enlutada se sinta acolhida em seu momento de dor, apenas isto.

Design sem nome

Psic. Mestre em Cuidados Paliativos
Psic. Especialista em Perdas e Luto
Especialista em Psicologia Hospitalar
Psychotherapist Member of British Psychological Society (MBPsS/GBC)
http://www.perdaseluto.com

Referências:
Incontri D, Santos FS, organizadores. A arte de morrer – visões plurais. Bragança Paulista: Comenius; 2007.
Caderno de anotações das minhas aulas no Quatro Estações Instituto Psicologia http://www.4estacoes.com/

23 comentários sobre “O que não dizer a uma pessoa em processo de luto

  1. O tema do assunto foi muito bem escolhido. É excelente falar sobre um assunto tao dificil de aceitar. Existe um livro que possa adquirir? Gostava muito de saber o que nao devo comentar com uma filha que perdeu o pai….e como ajudar! Obrigada

    Curtido por 1 pessoa

  2. Acrescente em seus exemplos sobre o que não dizer quando uma mãe e/ou pai perdem um filho e estes possuem outros filhos: “Agora vc vai dar amor dobrado pra esse príncipe” (que estava no meu colo – 3 anos)
    Ouvi isso além das já mencionadas em seu texto…
    Amor dobrado? Pra um filho? Como poderia dobrar um amor que já é o maior e mais intenso em mim?!
    É exatamente o contrário…tenho amor pra dois…mas agora só tenho um pra dar esse amor…a outra parte do amor fica no peito…vira dor…saudade…tristeza…

    Curtido por 1 pessoa

  3. Pingback: Funeral: Um local para expressarmos a dor da perda | PERDAS E LUTO

  4. Pingback: O que não dizer a uma pessoa em processo de luto

    • Olá Márcia! A melhor coisa a se dizer é: Sinto muito por sua perda, meus sentimentos. E dizer que está a disposição da pessoa para o que ela precisar. Nós sempre queremos dizer muitas coisas, mas neste momento o importante é o enlutado saber que poderá contar com nosso apoio durante o processo de luto. Abs, Nazaré Jacobucci

      Curtido por 1 pessoa

  5. Interessante artigo. Amado meu pai faleceu, meu irmão de 18 anos (mais velho) ouviu muito: “Agora você é o homem da casa”
    Ele, que já era retraído, ficou ainda mais. Porém ficou mais próximo da família, coisa que não ocorria há um bom tempo.
    Ouvi muito que ele virou uma estrelinha, que ele não ia gostar de me ver triste, que aquela situação tinha acontecido comigo… Tudo isso me ajudou muito, pois sabia que não estava sozinha. Eu, no auge dos meus 14 anos, me levantei da cama depois de uma semana porque alguém me disse que “ele não gostaria de me ver assim”.
    Muitas das colocações que foram colocadas no texto me ajudaram no luto, o que mostra que um simples abraço e dizer “meus sentimentos” não funciona com todo mundo – aliás, não funciona com ninguém que eu conheço.

    Curtido por 1 pessoa

  6. Você escreve o que não falar, que é o que estamos acostumados e todo mundo fala, se não é pra falar isso então o que é o “certo” para falar? Calar-se? Nao acho boa ideia vc estar em luto e ninguém falar com você mais que “Meus sentimentos”.
    Se s pessoa acredita em Deus, nada mais confortante do que falar de Deus! Meu Deus do céu! Psicologia tem sempre que excluir Deus?

    Curtido por 1 pessoa

    • Olá CPace! Primeiramente obrigada pelo comentário, por meio dele eu pude rever o post e fiz uma pequena correção. No entanto, gostaria de esclarecer que este post foi elaborado de acordo com a minha prática clínica, e de vários colegas especialistas em luto, na qual as frases foram reportadas por centenas de pessoas enlutadas ao longo de anos. Um processo de luto é individual e único, assim como a crença professada por cada indivíduo. Uma pessoa em processo de luto pode estar com vários questionamentos de cunho religioso e, naquele momento em específico, não quer ouvir frases que remetem a uma crença religiosa. Quanto a psicologia, nós não excluímos Deus, nós respeitamos a crença que cada indivíduo professa e/ou o que ele considera sagrado. Nós que trabalhamos com pacientes em final de vida compreendemos a importância da espiritualidade na vida das pessoas, mas espiritualidade é um pouco diferente de religiosidade e esse entendimento nos permite atender e acolher todas as pessoas no momento mais crucial da existência humana, a morte.
      Talvez você não tenha tido oportunidade de ver os posts que tenho descrevendo a importância da espiritualidade para o indivíduo, inclusive eu tenho uma série de posts descrevendo detalhadamente como várias religiões compreendem a morte e o pós morte. Deixarei alguns links para que você possa ler. Muito obrigada, Abs Nazaré Jacobucci
      Textos: https://perdaseluto.com/2018/07/18/capelania-a-importancia-do-cuidado-espiritual-em-cuidados-paliativos/
      https://perdaseluto.com/2015/11/16/o-papel-da-espiritualidade-na-terminalidade/

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s