O Significado da Morte e o Processo de Luto na visão do Cristianismo Católico

“O amor é tão forte quanto a morte” (Cântico dos Cânticos c.8, v.6)

Dando continuidade aos posts sobre a compreensão da morte em determinadas religiões, abordaremos neste post o Cristianismo Católico Romano. Exploraremos como os fiéis dessa religião se relacionam com a realidade da morte e buscaremos compreender o significado de seus rituais.

O Cristianismo tem sua origem na figura de Jesus Cristo, um judeu da Galileia, pois seus pais terrenos (Maria e José) eram judeus, descendentes de Abraão. Após o batismo, ele foi batizado por João Batista, Jesus começa a sua missão de levar a palavra de Deus e fazer milagres. No entanto, foram seus apóstolos (discípulos), como Pedro e Paulo, tempos depois de sua morte por volta da década de 50 d.C., que espalharam os ensinamentos e as histórias sobre Jesus em Roma e na Europa. O nome Jesus é a forma latina do grego Iesous, que por sua vez é a transliteração do hebraico Jeshua, ou Joshua, que significa “salvação”. E Cristo, ou Christos, é equivalente ao grego para a palavra hebraica Messias, que significa “ungido”. Assim, o termo Cristo ou Messias era um título, ao invés de um nome próprio.

Neste contexto, depois da morte de Jesus Cristo, o Cristianismo, denominação para os seguidores do Messias Jesus Cristo, se disseminou pelo Oriente Médio e pela Europa. Naquela época, o Império Romano dominava essas regiões. Inicialmente os romanos tinham sua própria religião, por isso perseguiam os cristãos. Mas no ano de 313 d.C. o Imperador Constantino converteu-se ao Cristianismo e permitiu o culto dessa religião em todo o Império. Entretanto, somente no ano de 380 d.C. o Cristianismo se tornou a religião oficial do Império Romano por ordem do imperador Teodósio I, que tomou a medida numa lei conhecida como Édito de Tessalônica.

O termo católico deriva do grego kata (junto) e holos (todo), isto é: universal, que abrange tudo e reúne a todos. A palavra foi aplicada pela primeira vez à Igreja de Roma no século II por Inácio de Antioquia, um de seus fundadores. Mas ela só passa a ser adotada oficialmente como um dos atributos essenciais da instituição a partir do Concílio de Constantinopla, no ano 381, afirma o teólogo Faustino Teixeira. O catolicismo é uma denominação, e é, portanto, um subconjunto do Cristianismo. Todos os católicos são cristãos, mas nem todos os cristãos são católicos. Um católico romano refere-se a um cristão que segue a religião católica como é transmitida através da sucessão dos Papas de Roma e do Império do Vaticano ao longo da história. O Papa é o líder da Igreja Católica Romana. O catolicismo é uma das mais expressivas vertentes do Cristianismo e, ainda hoje, congrega a maior comunidade de cristãos existente no planeta. Segundo estatística recente do Vaticano, cerca de um bilhão e trezentos milhões de pessoas professam ser adeptas ao catolicismo, que tem o Brasil, México e Filipinas como os principais redutos de convertidos.

As principais crenças do catolicismo estão embasadas na crença em um único Deus verdadeiro que integra a Santíssima Trindade, que vincula a figura divina ao seu filho Jesus e ao Espírito Santo. Além disso, o catolicismo defende a existência da vida após a morte e a existência do céu, do inferno e do purgatório como diferentes estágios da existência póstuma. A ida para cada um desses destinos está ligada aos atos do fiel em vida e também determina o desígnio do cristão na chegada do dia do Juízo Final. A liturgia católica reafirma sua crença através dos sete sacramentos que simbolizam a comunhão espiritual do fiel junto a Deus. Entre esses sacramentos estão o batismo, a crisma, a eucaristia, a confissão, a ordem, o matrimônio e a extrema-unção. Os ensinamentos da Igreja Católica são provenientes das Sagradas Escrituras (Bíblia). A Bíblia Sagrada, é uma coleção de livros canônicos dividido em duas partes: o Antigo Testamento e o Novo Testamento.

Para compreendermos um pouco sobre os ritos de passagem do Cristianismo Católico, eu tive a honra de entrevistar o Padre Kécio Henrique Feitosa, sobre questões que permeiam este tema. Abaixo seguem os principais pontos da entrevista.

Como os cristãos católicos compreendem a morte? Qual o significado?
A morte para os católicos significa caminhar ao encontro da eternidade. Para quem pratica a religião, a vida não é tirada, mas transformada. O  homem de fé anseia por essa eternidade. Após a morte, o homem não é mais submetido ao tempo e ao espaço. Dentro desse mistério, o céu e o inferno não são lugares geográficos, mas “estados”. O céu é a participação plena de Deus, enquanto o inferno é o distanciamento. É como se o inferno significasse não participar mais do amor de Deus. Até gostaríamos de ser amados, mas agora não há mais essa possibilidade . Mas, a chegada da morte para um ente querido é difícil, e a separação nem sempre é tranquila, mas o padre lembra que é necessário acolher a finitude da vida.

Dentre os rituais cristãos de passagem, qual o significado da extrema-unção?
Unção dos enfermos é um rito cristão que consiste em ungir os enfermos com um óleo sagrado. Na Igreja Católica, o ritual é também denominado “Santa Unção” ou “Último Sacramento”. A unção dos enfermos tem o objetivo de confortar o doente, perdoar os seus pecados e transmitir um sentimento de alívio espiritual e físico. O ritual de unção dos enfermos segue as palavras do Apóstolo São Tiago, que diz: “Alguém de vós está enfermo? Chame os presbíteros da Igreja e orem sobre ele, ungindo-o com o óleo em nome do Senhor. A oração da fé salvará o enfermo, e o Senhor o aliviará. E se tiver algum pecado, lhe será perdoado” (Tiago 5, 14-15).

A “Extrema-unção” é também um sacramento cristão, assim denominado por ser recebido pelos cristãos que estão em risco iminente de perder a vida. O efeito da Extrema-unção é preparar o cristão para um momento particularmente difícil da sua vida, em que irá enfrentar a morte e seguir em direção à vida eterna.

Qual a visão do Cristianismo sobre o mundo espiritual? Há vida após a morte?
Cada vez mais nos afastamos do fenômeno morte. Mas toda a nossa vida de fé se encaminha para o momento da partida para a casa definitiva. Temos que tomar consciência de que a vida do ser humano, por ser criação, tem um começo e um fim. Não acreditamos em reencarnação. Cremos que a alma criada por Deus, sobrevive após a separação do corpo e tende a se encontrar com seu criador e receber a recompensa por sua vida, ou a condenação por seus crimes. A vida é única e vivida nesta terra uma só vez. Somos matéria e espírito, assim, temos algo de divino em nós.

Segundo a tradição cristã  católica há três destinos para a alma do indivíduo: o céu, o purgatório e o inferno. A igreja não os define como lugares palpáveis mas sim, estados sobrenaturais onde a alma viverá. Poderia nos explicar cada uma dessas dimensões?
A vida é um dom de Deus, porém estamos de passagem neste mundo e a qualquer momento podemos perder alguém querido, alguém que amamos. Quem não perdeu é bom estar preparado, pois se existe algo certo na vida, é a morte. Ao olharmos para a morte devemos valorizar a vida, como uma forma e oportunidade de nos prepararmos para a eternidade com Deus. O próprio Jesus garante que é da vontade do Pai que não se perca nenhum daqueles que lhe deu, e que todo aquele que n’Ele crê tenha a vida eterna, e o ressuscitará no último dia (Jo 6, 37-40).

Céu é o prêmio, ou seja, e o destino para os que em sua vida terrena desejaram o bem, mas sobretudo, o Sumo Bem que é Deus.
Purgatório é o caminho que a maioria dos homens iram trilhar até o céu. Pois, precisam pagar as penas dos seus pecados para chegar a visão beatifica de Deus.
Inferno é o castigo, ou seja, o destino para o que que em sua vida terrena desejaram o mal, fizeram o mal, e rejeitaram o Sumo Bem que é Deus e a sua salvação.
Ambos devem ser vistos com uma vida sobrenatural, assim sendo, entender que não existe espaço ou tempo no mundo espiritual. É uma realidade que está para além da nossa concepção humana, tão presos a matéria.

Mas existe o purgatório, o céu e o inferno?
Continua o Catecismo da Igreja Católica: “Cada homem recebe em sua alma imortal a retribuição eterna a partir do momento da morte, num Juízo Particular que coloca sua vida em relação à vida de Cristo, seja através de uma purificação, seja para entrar de imediato na felicidade do céu, seja para condenar-se de imediato para sempre” (CIC 1022). Então, acreditamos que imediatamente após a morte a nossa alma já terá o seu destino eterno definido.
O céu, para aqueles que morreram em estado de beatitude, como por exemplo: Nossa Senhora e os santos. Cremos foram direto para Deus.
O purgatório para aqueles que estão destinados ao céu, mas antes tem de viver o estado de purificação. Purgatório não é lugar, mas um estado de purificação das almas após a morte.  A Igreja chama purgatório a esta purificação final dos eleitos que é absolutamente distinta do castigo dos condenados.
E o inferno, para aqueles que não aceitam a salvação, concedida por Deus.

Deus não condena ninguém ao inferno. O inferno é uma auto- exclusão da graça, é uma pessoa que no uso do seu livre arbítrio rompeu com Deus, em pecado grave e insistiu em permanecer no pecado grave. Mas existem almas, pessoas que na hora da morte no juízo particular não romperam com Deus, ainda há muito que ser purificado e é bem nessa dimensão que existe o purgatório.

 Qual o significado da missa de sétimo dia? Por que rezar pelos mortos?
“Orando pelos mortos, a Igreja contempla, antes de tudo, o mistério da Ressurreição de Cristo que nos obtém a vida eterna”.
Na realidade brasileira, reza-se ainda uma Missa de sétimo dia por causa da extensão territorial. Os parentes que não podiam chegar a tempo para velar o morto vinham depois de alguns dias; assim, a Missa de sétimo dia permitia que o parente distante pudesse estar com a família e rezar pelo defunto.
Por fim, reza-se a Missa de sétimo dia, porque desde o Gênesis havia o costume fazer luto pelos mortos, por outras passagens que falam dessa realidade de purificação da alma do falecido, reza-se devido à fé católica na ressurreição dos mortos, reza-se pela oportunidade de um parente distante estar com a família do falecido e rezar com a família. Reza-se uma Missa de sétimo dia para fazer alusão ao dia que o Senhor descansou. Rezar é ainda uma oportunidade para aqueles que ficaram, louvar a Deus pelo dom da vida daquele que partiu, rezar uma Missa de sétimo dia, para aqueles que ficaram, é uma oportunidade de pensar como está a própria vida.

Os cristãos católicos acreditam na reencarnação?
Não. Nós CREMOS na RESSURREIÇÃO.
A doutrina cristã sobre a ressurreição se encontra o Catecismo da Igreja Católica, do número 988 ao 1001.
O número 989 assinala: “Nós cremos e esperamos firmemente que, tal como Cristo ressuscitou verdadeiramente dos mortos e vive para sempre, assim também os justos, depois da morte, viverão para sempre com Cristo ressuscitado, e que Ele os ressuscitará no último dia. Tal como a d’Ele, também a nossa ressurreição será obra da Santíssima Trindade”.

Poderia nos explicar a ideia central do Juízo Final, dia em que todos ressuscitarão dos mortos e serão separados entre os justos e injustos?
As ações de cada pessoa serão expostas e julgadas com imparcialidade por Deus (Apocalipse 20:12-13). Todos que não tiverem seus nomes escritos no Livro da Vida serão condenados por causa de seus pecados. Eles serão lançados no lago de fogo, junto com o diabo e seus anjos, onde sofrerão castigo eterno (Apocalipse 20:15).
Os verdadeiros seguidores de Jesus terão seus nomes escritos no Livro da Vida. Eles escaparão do julgamento no dia do Juízo Final e vão morar no Céu com Jesus (Mateus 25:32-34). Mas os que apenas fingem amar Jesus serão revelados e condenados.

O Juízo Final é injusto?
Não, o Juízo Final não é injusto. Uma pessoa pode ser muito boa mas se cometer um crime, vai receber castigo. Da mesma forma, todo pecado merece castigo. Deus não se alegra em castigar mas Ele é justo e perfeito e não tolera o pecado. O castigo do pecado é ficar eternamente separado de Deus (Romanos 3:23).
Quem rejeita Jesus como seu salvador não quer estar com Deus. Tudo de bom vem de Deus, por isso uma eternidade sem Deus é eterno sofrimento.

Os cristãos podem ser cremados?
A Igreja não é contra a cremação; ao contrário, até a permite. Há casos em que a cremação é necessária devido a alguma doença grave do falecido ou no caso de ele ter morrido fora de seu país e a família não teve condições de transportar imediatamente o corpo. Há também casos em que a pessoa desejava mesmo ser cremada. No entanto, uma coisa precisa ficar clara: a cremação não deve ter fins supersticiosos, nem de uma crença que não condiz com a fé católica. O Catecismo nos ensina: “A Igreja permite a cremação, a não ser que esta ponha em causa a fé na ressurreição dos corpos”
(n. 2301).

Às vezes, alguns filmes apresentam cenas muito emocionantes, quando o ator espalha as cinzas da pessoa amada como se a presença dela fosse ficar por ali vagando. Essa não é a nossa fé. Como católicos cristãos, nossa fé é de ressurreição. Quando se faz a opção pela cremação, seja por um pedido da pessoa ou por questão de saúde, tal atitude não deve negar a fé na ressurreição.

Dentre os rituais ligados a morte o que os familiares fazem com os pertencem das pessoas que morreu?
O processo de luto não deve ser apressado e varia de pessoa para pessoa com relação à intensidade e duração. Os enlutados que vivenciam um luto muito doloroso apresentam mais dificuldade para lidar com objetos diretamente relacionados com o falecido.

Como é vivenciado o processo de luto pelos familiares e amigos?
O luto é vivenciado de maneira singular; não existe um padrão de reação; há variações em intensidade e duração, influenciadas por fatores como o contexto da morte e as características do enlutado. Por isto, é necessário não interpretar como patológicas, reações que são naturais. Para que o apoio ao indivíduo enlutado possa ser efetivo e para que equívocos sejam evitados, é necessário considerar as culturas, as crenças, os contextos e as dinâmicas dos relacionamentos familiares, bem como identificar fatores que possam prejudicar o enfrentamento do luto, como a não manifestação dos sentimentos, o adiamento do processo ou a negação da perda. A elaboração do luto pode ser compreendida como a fase em que há diminuição do sofrimento frente às lembranças do falecido, havendo a retomada do interesse pela vida, por parte dos familiares.

Mesmo quando o processo de luto é considerado normal, isto não significa que não exista sofrimento ou necessidade de adaptação à nova estrutura familiar. Logo, encontrar espaços onde seja possível expressar-se livremente, compartilhar a dor e se deparar com outras pessoas que experimentam sentimentos e dificuldades semelhantes ameniza o sofrimento e favorece a busca pelas soluções dos problemas enfrentados.

Compreender a linguagem simbólica das religiões é de suma importância para que possamos oferecer um melhor cuidado aos nossos pacientes, principalmente os pacientes que estão hospitalizados e/ou em final de vida.

Nazaré Jacobucci
Mestranda em Cuidados Paliativos na Fac. de Medicina da Universidade de Lisboa
Psicóloga Especialista em Perdas e Luto / Especialista em Psicologia Hospitalar
Psychotherapist Member of British Psychological Society (MBPsS/GBC)
http://www.perdaseluto.com

Este post teve a colaboração do Padre Kécio Henrique Feitosa, atualmente ele desempenha sua tarefa como pároco na Paróquia de São João Batista na cidade de Dourado – Diocese de São Carlos / SP. Padre Kécio cursou Filosofia e Teologia na Pontifícia Universidade Católica de Campinas – SP.

Referências:
Britannica Escola [online]. Catolicismo. Disponível em: https://escola.britannica.com.br/artigo/catolicismo/482389
Campisi, T.; Silvonei, J. Aumentam os católicos no mundo, são 1 bilhão e 300 milhões. Vaticano News [online]. Disponível em: https://www.vaticannews.va/pt/vaticano/news/2020-03/aumentam-os-catolicos-no-mundo-bilhao-300-milhoes.html
Farias, L. A morte é uma passagem. Visão da Igreja Católica. Medium [online]. Disponível em: https://medium.com/@leonardofdeabreu/a-morte-%C3%A9-uma-passagem-vis%C3%A3o-da-igreja-cat%C3%B3lica-88c4ded0e58c
Maas, A. Origin of the Name of Jesus Christ. The Catholic Encyclopedia. Vol. 8. New York: Robert Appleton Company, 1910. Disponível em: http://www.newadvent.org/cathen/08374x.htm
Sousa, R. G. Catolicismo. Brasil Escola [online]. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/religiao/catolicismo.htm.
Super Interessante [online]. Qual é a origem da palavra católico? Disponível em:
https://super.abril.com.br/historia/qual-e-a-origem-da-palavra/

Direito à Morte: é possível escolher a forma de morrer?

“Existirmos: a que será que se destina?” (Cajuína, Caetano Veloso) 

Recentemente no meu curso de mestrado na Universidade de Lisboa tivemos a oportunidade de discutir um pouco sobre as questões éticas e bioéticas que envolvem um processo de morte e, claro, até mesmo questões espirituais que permeiam o morrer. Nos foi solicitado fazer um exercício sobre o tema e, eu escolhi um filme para ilustrar algumas ideias. Reproduzirei uma parte do meu ensaio para este tema, no qual expus minha opinião.

Continuar lendo

Capelania: A importância do Cuidado Espiritual em Cuidados Paliativos

“Andar com fé eu vou,
que a fé não costuma “faiá”
Andar com fé eu vou,
que a fé não costuma “faiá”. (Gilberto Gil)

Como já discutimos em posts anteriores, Cuidado Paliativo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, é uma abordagem que melhora a qualidade de vida de pacientes adultos, crianças e famílias que enfrentam problemas associados a doenças que ameaçam a vida. Previne e alivia o sofrimento por meio da identificação precoce, avaliação correta e tratamento da dor e outros problemas físicos, psicossociais ou espirituais (WHO, 2017).

Continuar lendo

O Significado da Morte e o Processo de Luto na visão do Islamismo

“Toda alma provará o sabor da morte e, no Dia da Ressurreição, sereis recompensados integralmente pelos vossos atos; quem for afastado do fogo infernal e introduzido no Paraíso, triunfará. Que é a vida terrena, senão um prazer ilusório?” (3ª Surata, versículo 185) 

Dando continuidade aos posts sobre a compreensão da morte em determinadas religiões, abordaremos neste post o Islamismo. Exploraremos como os fiéis dessa religião se relacionam com a realidade da morte e buscaremos compreender o significado de seus rituais.

O Islã surgiu no ano de 610 da Era Cristã, no deserto do Hedjaz, onde hoje está a Arábia Saudita. Naquele ano, o então comerciante Muhammad (saws*) – nome que foi erroneamente traduzido para o português como “Maomé”, o que é considerado uma grosseria pelos mulçumanos, uma vez que eles consideram que nomes próprios não são traduzidos, devem ser empregados como o são no idioma original – recebeu as primeiras revelações de Deus Altíssimo, por intermédio do Arcanjo Gabriel, ocasião em que soube que havia sido escolhido como Mensageiro de Deus. Muhammad (saws), que vivia na cidade de Meca, era um homem digno, um comerciante justo e dotado de grande bom senso e amor ao próximo. Antes mesmo de receber a revelação divina, ele era consultado pelos seus contemporâneos para solucionar litígios, julgar disputas e dar conselhos.

Continuar lendo

O Significado da Morte e o Processo de Luto na visão do Judaísmo

“E o Todo Poderoso formou o homem do pó da terra e soprou em suas narinas a alma da vida”. (Toráh)

Dando continuidade aos posts sobre a compreensão da morte em determinadas religiões, abordaremos neste post o Judaísmo. Exploraremos como os fiéis dessa religião se relacionam com a realidade da morte e buscaremos compreender o significado de seus rituais.

O judaísmo é considerado a primeira religião monoteísta da história. Tem como crença principal a existência de apenas um Deus, o criador de tudo. Para os judeus, Deus fez um acordo com os hebreus, fazendo com que eles se tornassem o povo escolhido e prometendo-lhes a terra prometida.

Continuar lendo

O Significado da Morte e o Processo de Luto na visão do Espiritismo

“Na vida, não vale tanto o que temos, nem tanto importa o que somos. Vale o que realizamos com aquilo que possuímos e, acima de tudo, importa o que fazemos de nós! ” (Chico Xavier)

Quando falamos sobre a morte, é importante compreendermos como cada indivíduo, como a sociedade em que ele está inserido e como a religião que ele professa, a compreendem. A crença religiosa professada pelo indivíduo é muito importante, pois é por meio dessa crença que ele fará a interpretação deste advento.

Dando continuidade aos posts sobre a compreensão da morte em determinadas religiões, abordaremos neste post o Espiritismo. Exploraremos como os fiéis dessa religião se relacionam com a realidade da morte e buscaremos compreender o significado de seus rituais.

Continuar lendo

O Significado da Morte e o Processo de Luto na visão da Umbanda

“Historicamente podemos entender a ciência e a religião como antagônicas… Eu acredito que o verdadeiro sentimento religioso é o mais forte e nobre incentivo à pesquisa científica” (Albert Einstein)

Quando falamos sobre a morte, é importante compreendermos como cada indivíduo, como a sociedade em que ele está inserido e como a religião que ele professa, a compreendem. A crença religiosa professada pelo indivíduo é muito importante, pois é por meio dessa crença que ele fará a interpretação deste advento.

Dando continuidade aos posts sobre a compreensão da morte em determinadas religiões, abordaremos neste post a Umbanda. Exploraremos como os fiéis dessa religião se relacionam com a realidade da morte. Buscaremos compreender o significado de seus rituais, uma vez que estes diferem da maioria das religiões de cunho cristão.

Continuar lendo

O Significado da Morte e o Processo de Luto nas Religiões Orientais: Igreja Messiânica

“Somos a síntese de um número incontável de antepassados”. (Meishu-Sama)

A morte faz parte do desenvolvimento humano. Em algum momento de nossa existência iremos partir em definitivo. Pois, este é o destino inexorável de todo ser vivo e, dentre esses, de todo ser humano. A morte se inscreve em cada um desde o nascimento. Contudo, quando falamos sobre a morte, é importante compreendermos como cada indivíduo, como a sociedade em que ele está inserido e como a religião que ele professa, a compreende. A crença religiosa professada pelo indivíduo é muito importante, pois é por meio dessa crença que ele fará a interpretação deste advento.

Dando continuidade aos posts sobre a compreensão da morte em determinadas religiões, abordaremos neste post a Igreja Messiânica. Exploraremos como os fiéis dessa religião de origem oriental se relacionam com a realidade da morte. Buscaremos compreender o significado de seus rituais, uma vez que estes diferem da maioria das religiões de cunho cristão.

Continuar lendo

O Significado da Morte e o Processo de Luto nas Religiões de Matrizes Africana: Candomblé

 Obatalá cria Ikú, a Morte 
Quando o mundo foi criado, coube a Obatalá a criação do homem. O homem foi criado e povoou a Terra. Cada natureza da Terra, cada mistério e segredo, foi tudo governado pelos orixás. Com atenção e oferenda aos orixás, tudo o homem conquistava. Mas os seres humanos começaram a se imaginar com os poderes que eram próprios dos orixás. Os homens deixaram de alimentar as divindades. Os homens, imortais que eram, pensavam em si mesmos como deuses. Não precisavam de outros deuses. 
Cansado dos desmandos dos humanos, a quem criara na origem do mundo, Obatalá decidiu viver com os orixás no espaço sagrado que fica entre o Àiyé, a Terra, e o Órun, o Céu. E Obatalá decidiu que os homens deveriam morrer; Cada um num certo tempo, numa certa hora. Então Obatalá criou Ikú, a Morte. E a encarregou de fazer morrer todos os humanos. Obatalá impôs, contudo, à morte (Ikú) uma condição: só Olódumaré podia decidir a hora de morrer de cada homem. A Morte leva, mas a Morte não decide a hora de morrer. O mistério maior pertence exclusivamente a Olórun. (Bandeira, 2010)

A morte faz parte do desenvolvimento humano. Em algum momento de nossa existência iremos partir em definitivo. Este é o destino inexorável de todo ser vivo e, dentre esses, de todo ser humano. A morte se inscreve em cada um desde o nascimento. Contudo, quando falamos sobre a morte é importante compreendermos como cada indivíduo, como a sociedade em que ele está inserido e como a religião que ele professa, a compreende. A crença religiosa professada pelo indivíduo é muito importante, pois é por meio dessa crença que ele fará a interpretação deste advento.

Continuar lendo

O papel da espiritualidade na terminalidade

“Todas as religiões, todas as artes e todas as ciências são ramos de uma mesma árvore. Todas essas aspirações visam ao enobrecimento da vida humana, elevando-a acima da esfera da existência puramente material e conduzindo o indivíduo para a liberdade”.  (Einstein)   

Luto54É inegável que a espiritualidade é uma característica humana que, dentre outros aspectos, proporciona ao indivíduo a possibilidade de encontrar significado e propósito para a sua vida. Embora estejam relacionadas, espiritualidade e religião não são equivalentes. As situações que antecedem e envolvem os processos de morte e o morrer estão entre aquelas em que a espiritualidade e a necessidade de conforto espiritual são visíveis. A crença religiosa traz contida em sua simbologia a sensação de acolhimento e proteção diante da morte.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) incluiu o cuidado espiritual no que tange aos cuidados totais para o paciente que se encontra em cuidados paliativos, pois auxilia no enfrentamento da angústia e do sofrimento, imprimindo-lhe algum sentido. A importância da espiritualidade no enfrentamento de uma doença terminal tem sido constantemente corroborada por algumas pesquisas. O bem-estar espiritual oferece proteção contra o desespero no fim da vida, ocasionando paz e significado para aqueles na iminência da morte (Liberato; Macieira, 2008).

Com efeito segundo Dias e Riba (2008), proporcionar assistência espiritual ao paciente não é fácil para os profissionais da saúde. “A espiritualidade é frequentemente confundida com religiosidade, e as crenças do outro nem sempre são compreendidas, respeitadas e aceitas”. Infelizmente, a visão de muitos profissionais da área médica que atuam em hospitais é de que os cuidados médicos e espirituais não sejam complementares, visão esta, no mínimo insensível quando um paciente está em processo de morte.

Continuar lendo