Publicações

Livro: Coautora

casa_psicologia_na_saude

Esta obra nos oferece uma visão clara e organizada do quão ampliados se encontram, hoje, o campo de atuação e as oportunidades de qualificação profissional dos psicólogos na área da saúde – na atenção primária, nos ambulatórios, nos hospitais e nas interfaces com as diversas especialidades médicas. Ao mesmo tempo, apresenta alternativas para o enfrentamento dos novos desafios que emergem nesse contexto.

Destaque: colaborei na escrita de dois capítulos deste livro

Capítulo 8A atuação da Psicologia Hospitalar em Ambulatórios

Capítulo 16A Psicologia nos Cuidados Paliativos

_______________________________________________________________________________________________

Congressos – Apresentações

11º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde no ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, de 26 a 29 de Janeiro de 2016
PSICOLOGIA, SAÚDE & DOENÇAS, 2015, 16 (suplemento)

AS MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA: AUXILIANDO NA EDUCAÇÃO PARA A MORTE E O MORRER

Autora: Nazaré Jacobucci

Resumo: As mídias sociais fazem parte da rotina de milhões de pessoas ao redor do mundo e têm sido utilizadas por profissionais da saúde como plataforma de intercâmbio de informação e comunicação. O presente trabalho tem por objetivo demonstrar a importância e os resultados obtidos com a utilização de um blog como recurso pedagógico sobre o tema da morte e do morrer. O blog é uma ferramenta tecnológica capaz de atingir grandes grupos populacionais e profissionais por meio de uma escrita simples e acessível. Por esta razão, cada vez mais, psicólogos vem explorando seu potencial como mecanismo de troca de conhecimento entre profissionais, alunos, e a população em geral, e como plataforma para a reflexão sobre assuntos relevantes. Neste sentido, foi criado um blog intitulado: “Perdas e Luto: Educação para a morte, as perdas e o luto”. O principal resultado deste trabalho tem sido a divulgação de uma ciência e de uma prática relacionadas à temática do luto que muitos – e, principalmente, a população leiga – desconheciam. Observou-se que no período de um ano o blog conseguiu atingir um público significativo, com mais de 55.000 leitores, em 75 países e em todos os continentes. Estes resultados comprovam a eficácia do blog como plataforma de divulgação de informação, discussão e reflexão sobre temas relevantes – tais como a morte e o morrer – e sua contribuição para o esclarecimento do tema, de forma clara, objetiva e ética, não apenas para os profissionais da saúde, mas também, e principalmente, para o público leigo.

Palavras-chave: Mídias Sociais, Blog, Educação para a Morte
Linha Temática: Inovação em saúde: e-health e m-health

Nazaré Jacobucci
Psicóloga Especialista em Psicologia Hospitalar e Luto
Member of British Psychological Society (MBPss/GBC)

_______________________________________________________________________________________________
CongressoNana

CARACTERIZAÇÃO CLÍNICA E PSICOSSOCIAL DE PACIENTES HOSPITALIZADOS SOB CUIDADOS PALIATIVOS

Autores: A.  NAZARÉ  DE  P.  JACOBUCCI  (IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA De São Paulo); MARCELA MAYUMI GOMES KITAYAMA (HOSPITAL PAULISTANO); SANDRA REGINA MAZUTTI (HOSPITAL PAULISTANO)

Resumo: Este estudo objetivou conhecer, identificar e quantificar as características clínicas e psicossociais dos pacientes fora de possibilidade terapêuticas de cura e sob cuidados paliativos, durante período de internação em um hospital geral da rede privada da cidade de São Paulo. Os dados foram coletados no segundo semestre de 2009, por meio da Ficha de Avaliação da Equipe de Cuidados Paliativos, junto a dezoito pacientes sem prognóstico de cura Após transcrição dos dados – sócio-demográficos, histórico familiar, informações médicas, enfrentamento da doença e desfecho – estes foram analisados descritivamente. Identificamos que a população é predominantemente de idosos, que em sua maioria residem com familiares, cônjuges e/ou filhos. Oitenta e quatro por cento dos pacientes professam alguma crença religiosa. Constatamos que estes pacientes recebem o apoio dos familiares neste momento de finitude e que estes familiares estão adaptados a esta nova situação. Observamos que o câncer é o diagnóstico que mais prevalece entre as doenças. Para cinco pacientes, a estimativa de vida era de mais de um ano. Para três pacientes, a estimativa era de meses, e para cinco pacientes, de semanas. Pudemos observar qual a relação do paciente com este momento crítico e que vinte e dois por cento estavam vivenciando o estágio da aceitação. Por fim, não houve predominância em relação ao desfecho, pois em nosso estudo a alta hospitalar e o óbito possuem igual percentagem. Do discurso dos pacientes emergiram dois temas importantes enquanto fontes de apoio e estímulo para o enfrentamento da finitude próxima, a família e a espiritualidade. Concluímos que se faz necessário ampliar, difundir a discussão e refletir sobre a filosofia dos cuidados paliativos, eliminando crenças equivocadas, pois cuidados paliativos são indicados a todos os pacientes que estejam vivenciando uma evolução crítica de sua doença e precisam vivenciá-la de maneira digna, cujo paradigma principal é o cuidado e não a cura, visando enfim qualidade da vida. Nota: O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Paulistano. Todos os participantes assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido e ficaram com uma cópia deste documento em seu poder.

Palavras-chave: cuidados paliativos, morte digna, terminalidade.

Nazaré Jacobucci
Psicóloga Especialista em Psicologia Hospitalar e Luto
Psychotherapist Member of British Psychological Society

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s