Autocuidado: como atravessar um processo de luto?

“Durante o viver nós vamos enfrentar muitas dores e muitas tempestades. Precisamos descobrir como sobreviver diante do caos” (Psic. Nazaré Jacobucci)

A dor quando perdermos alguém a quem amamos é avassaladora e pode nos desorganizar psíquica e emocionalmente. Inevitavelmente vamos experienciar esta dor muitas vezes ao longo de nossas vidas, não temos como evitar a manifestação do luto após uma perda e infelizmente não temos como eliminar a dor. Afinal, a morte é um fenômeno natural e irrefutável da existência humana.

Neste sentido, o autocuidado num processo de luto é de extrema importância para que possamos atravessar este momento tão árduo de forma mais equilibrada. Há pessoas que ficam anos paralisadas pela dor do luto e durante esse momento acabam deixando algumas questões de lado. Uma dessas questões é o autocuidado. Isso engloba deixar os cuidados pessoais, a sua saúde física e mental de lado. Algumas pessoas deixam esses cuidados para depois e empregam toda a energia apenas na dor pela qual estão passando.

O autocuidado, uma prática que todas as pessoas devem fazer, é o ato de cuidar de si mesmo e fazer coisas que irão fazer bem para o seu corpo e mente e assim terem melhor qualidade de vida. São coisas que, quando fazemos, nos fazem sentir melhores e mais organizados psíquica e emocionalmente. Com efeito, autocuidado não é sinônimo de evitar o desconforto, é sinônimo de acolhimento de suas dores. A prática do autocuidado num processo de luto não significa que você está esquecendo o seu ente querido, de forma alguma. A prática possibilita que você assimile a perda e aprenda a lidar com a ausência física.

E como praticar o autocuidado durante o processo de luto? Descreverei abaixo algumas práticas que podem te ajudar a atravessar esse momento tão delicado.

Caminhar: ‎Você deve ter notado uma melhora no seu humor depois de se exercitar e a ligação entre exercício físico e saúde mental estão bem documentadas. Tente começar devagar com uma caminhada de alguns minutos por dia e lentamente vá aumentando até atingir seu nível de conforto.‎ Estar ao ar livre pode te trazer uma sensação de bem-estar. E após a caminhada tome um banho quente. Isso pode ser relaxante e ajudar com sintomas físicos de dor e estresse.

Diário do luto: ‎É normal ficar confuso sobre como você está se sentindo depois que alguém morre. Manter um diário do luto pode ajudá-lo a entender suas emoções.‎ Escrever é uma forma de pensar em voz alta. Pode ajudá-lo a compreender os sentimentos e a identificar padrões de pensamento que possam estar atravancando a assimilação da perda. Registrar memórias pode permitir que você se sinta mais próximo do ente querido que morreu. O luto pode ser uma longa jornada e quando estamos no meio dela, pode ser difícil ver que as coisas estão se transformando. Quando você ler o seu diário de, semanas ou meses atrás, você verá o quanto você assimilou sobre a perda e o quanto o seu processo de luto se transformou ao longo do tempo.‎

Meditação: Essa é uma prática milenar. Na meditação, todo o fluxo de energia e atenção deve estar direcionado para você mesmo. A meditação nos traz calma, serenidade e também é uma forma de se conhecer melhor e conhecer o seu corpo e ajuda muito no momento do luto e a relaxar em situações de estresse como esse. Respire profundamente tentando reter o ar por alguns segundos no pulmão. Desta forma, começa um processo que acalma os pensamentos e regula a ansiedade. Tudo isso deve ser feito adotando uma postura confortável. Pode ser a posição de lótus, sentado ou deitado, desde que a coluna esteja reta, os ombros relaxados e o pescoço alinhado. Vá controlando a sua respiração de forma lenta e prazerosa. Acredite! Com a prática, ao longo do tempo, sua concentração vai sendo cada vez mais facilitada e a sensação de bem-estar aumenta significativamente.

Alimentação: Tente manter uma alimentação equilibrada para compensar as perdas nutricionais associadas ao processo de luto e tristeza. Quando temos uma boa alimentação, o nosso corpo reage de uma forma melhor, temos mais energia e melhor qualidade de vida, por isso ter uma boa alimentação é considerado um tipo de autocuidado.

Encontros: Em muitos momentos você sentirá o desejo de ficar sozinho, mas estar com amigos queridos pode ser terapêutico. Encontre uma tarde ou noite para fazer uma atividade e passar um tempo com um amigo e/ou amigos e familiares. As relações com pessoas afetivamente significativas são uma importante fonte de suporte emocional.

Saúde mental: A nossa saúde mental é tão importante quanto a saúde física e não podemos deixar os cuidados de lado principalmente no momento do luto. A saúde mental também pode ser afetada, pois o sofrimento desencadeado pode levar ao uso de respostas não adaptativas e à busca de estratégias inapropriadas para lidar com a dor. A identificação e realização de atividades que gerem bem-estar e satisfação podem ser utilizadas e incrementadas conforme o interesse da pessoa enlutada.

Espiritualidade: A espiritualidade também pode exercer uma função significativa de conforto e proteção nestes momentos. É importante salientar que cada pessoa deve descobrir qual ou quais estratégias respondem melhor à sua necessidade e que estejam de acordo com seus valores e crenças.

Ajuda Especializada: Busque ajuda caso perceba que seu sofrimento está muito intenso, se prolongando ou mesmo impedindo que consiga manter suas atividades cotidianas, causando significativo impacto na sua vida e em suas relações. Segundo a professora Ângela Seger, outro sinal de que é preciso buscar suporte emocional pode surgir quando as pessoas à sua volta sinalizam que estão preocupadas com sua saúde mental. Esses sinais podem significar que as perdas vivenciadas neste período estejam lhe sobrecarregando e, neste caso, pode ser necessário o auxílio de um profissional qualificado para que não haja agravamento das dificuldades.

Com o exposto neste post podemos observar como é importante que as pessoas não deixem os cuidados pessoais, psíquicos e espirituais durante o processo de luto, por mais difícil que seja esse momento. Os familiares e amigos devem ficar sempre atentos aos sinais apresentados pela pessoa que perdeu um ente querido recentemente, e devem incentivá-la a procurar por ajuda psicológica ou a fazer coisas que ela goste, se sinta bem fazendo, ou que lhe tragam conforto.

Psic. Mestre em Cuidados Paliativos
Psic. Especialista em Perdas e Luto
Especialista em Psicologia Hospitalar
Psychotherapist Member of British Psychological Society (MBPsS/GBC)
Blog Perdas e Luto

Referências:

Cruse Bereavement Support [site]. Managing grief. Find out how to support yourself and manage your grief. Disponível em: https://www.cruse.org.uk/understanding-grief/managing-grief/

Parque das Flores [site]. Saiba qual é a importância do autocuidado durante o luto. Disponível em: https://parquedasflores.com.br/blog/saiba-qual-e-a-importancia-do-autocuidado-durante-o-luto

Seger, A. 5 comportamentos que ajudam a lidar com o processo de luto. Mar. 2021. Disponível em: https://www.pucrs.br/blog/5-comportamentos-que-ajudam-a-lidar-com-o-processo-de-luto/

Zanatta, M. Autocuidado no processo de luto. Dez. 2020. Disponível em: https://www.cortel.com.br/autocuidado-no-processo-de-luto/

Vamos conversar sobre a morte?

“Não podemos estar realmente vivos sem termos a consciência de que morreremos um dia” (Frank Ostaseski)

A sociedade moderna possui novos assuntos interditos e dentre eles está a morte. Hoje os pais conversam com seus filhos sobre drogas e métodos contraceptivos, porém na minha prática clínica/hospitalar tenho observado que pais e filhos não conversam sobre a morte. Quando algum membro da família começa a falar sobre este tema alguém automaticamente diz – para com isso, que assunto mais chato, tanta coisa boa para conversar e você quer falar de morte, que bobagem. No entanto, a morte faz parte do desenvolvimento humano e precisamos conversar sobre ela.

Continuar lendo

Após a morte o que fazer com o corpo: enterrar, cremar, doar ou virar diamante?

“A morte não é nada para nós, pois, quando existimos, não existe a morte, e quando existe a morte, não existimos mais” (Epicuro)

‎A morte visitará a todos nós em um determinado momento. Por isso, seria interessante nos preparamos para esta visita. Há aspectos práticos que a envolvem e lidar com eles num momento de extrema fragilidade psicoemocional pode se tornar desconfortável para a pessoa enlutada. Então, seria interessante contarmos para as pessoas em quem confiamos como queremos que seja tratado o nosso corpo após a morte. Dizer para os familiares o que gostaríamos que fosse feito durante e após o processo de morte e falar do que acreditamos que vai acontecer conosco depois da partida pode nos auxiliar a desmistificar o “fantasma” chamado morte. Contudo, isto só poderá ocorrer quando a família começar a falar sem reservas sobre a morte. Acredite, esta conversa pode ser esclarecedora.

Continuar lendo

Natal após a morte de um ente querido‎

“Eu sei que este mês deve estar sendo um dos mais difíceis da sua vida. Eu sei que os dias que se aproximam do Natal serão difíceis, que as lágrimas virão aos olhos a qualquer recordação, que os dias serão mais longos, sem cor e apáticos. Eu sei que não conseguirei remover a dor que está em sua alma. Mas tenha uma certeza: não foi um adeus, foi tão somente um até breve” (Psic. Nazaré Jacobucci)

‎Estamos vivenciando uma das épocas mais significativas do calendário, o Natal. No entanto, se você perdeu um ente querido, um pai, uma mãe, um irmão e/ou um amigo próximo, este pode ser um período de tristeza e difícil de atravessar. O primeiro Natal sem um ente querido pode até ser algo que você teme, pois pode trazer de volta memórias do passado. Reuni algumas estratégias de enfrentamento, fornecidas por especialistas de várias instituições que trabalham com luto, que podem ajudá-lo a navegar por esse período Natalino sem seu ente querido.‎

Continuar lendo

A gente vai embora

“Nossa imortalidade está condicionada à nossa gentileza, à maneira como tratamos conhecidos e desconhecidos” (Irvin Yalom)

Recentemente um amigo muito querido me enviou um texto que, segundo ele, tinha tudo a ver com o meu trabalho. De fato, o texto é interessante e expressa uma verdade absoluta sobre a morte e o morrer. Considerei que o mesmo é muito pertinente para ao momento atual da nossa sociedade que está cada vez mais se distanciando da consciência de que somos finitos e que ao final da nossa existência nada levaremos. Nem a conta bancária, nem títulos, nem condecorações e nenhum bem material. Por isso, decidi compartilhar com vocês as ideias contidas no texto. Eu mantive o texto original, no entanto fiz pequenos ajustes e acrescentei algumas ideias próprias que fazem parte da minha reflexão diária na lida com a morte, as perdas e o luto.

Adaptado e inspirado no texto original – A Gente vai Embora – da autoria de Jaqueline Reinelli.

Continuar lendo

Legado Digital: quem herdará seu patrimônio digital após a sua morte?

“Quem era, como era. Somos só memória à espera de não sermos esquecidos” (Memória, Ana Bacalhau)

No dia 01 de junho eu defendi minha dissertação de mestrado e o tópico central desse trabalho de pesquisa foi sobre legado digital. Eu investiguei o conhecimento dos meus colegas da área da saúde que trabalham em unidades de cuidados paliativos, no Brasil e em Portugal, sobre esse tema. A pesquisa foi respondida por 243 profissionais, e como era de se esperar, 98,8% disseram ser usuários de plataformas de mídias digitais. Entretanto, 52,7% declararam não ter nenhum conhecimento sobre legado digital e 46,5% confessaram não ter nenhum conhecimento sobre a forma como as empresas provedoras de mídias tratam os dados de seus usuários após a sua morte.

Continuar lendo

Cuidados Paliativos: benefícios, barreiras e desafios

“Cuidar é dar lugar dentro de mim ao sofrimento do outro” (Donald Woods Winnicott)

No segundo sábado de outubro de cada ano comemora-se o Dia Mundial de Cuidados Paliativos que, neste ano, foi comemorado no dia 09 de outubro. A data é marcada por ações unificadas para comemorar e apoiar os Cuidados Paliativos em todo o mundo. De acordo com a Worldwide Hospice Palliative Care Alliance (WHPCA), o tema escolhido para o Dia Mundial de Cuidados Paliativos deste ano foi  “Não deixe ninguém para trás – Equidade no acesso aos Cuidados Paliativos”, com o objetivo de fazer um apelo para o acesso equitativo de toda e qualquer pessoa a esta modalidade de cuidado que traz qualidade de vida, conforto e dignidade. Os cuidados paliativos são oferecidos em diversos serviços hospitalares ao redor do mundo e tem como objetivo central amenizar a dor e o sofrimento – sejam eles de origem física, psicológica, social ou espiritual – do indivíduo com uma doença sem possibilidade terapêutica de cura e/ou doença crônica. No entanto, infelizmente ainda temos algumas ideias erroneamente propagadas sobre esta forma de cuidar.

Continuar lendo

Testamento: a importância de se manifestar os últimos desejos

“Testamento: morreu sem nada, deixou tudo para o amanhã” (Zack Magiezi)

A morte visitará a todos nós em um determinado momento. Por isso, seria interessante nos preparamos para esta visita. Neste sentido, tenho observado, na minha lida diária com pessoas enlutadas, que há um aspecto prático relacionado à morte que muitos não tem dado a devida atenção: o testamento. Refletir sobre o assunto é algo necessário para quem constituiu patrimônio em vida. Não temos o costume de fazer um testamento, seja pelo medo da morte, seja porque desconhecemos o instrumento, mas é algo muito importante. Além de distribuir o patrimônio, o documento serve para registrar outras manifestações de vontade. Outra função importante desse documento é evitar divergências entre os beneficiários pela partilha da herança, evitando disputas futuras entre seus herdeiros .

Continuar lendo

Luto Coletivo: a perda doi em mim, doi em você, doi em todos nós!

“O que há em mim é sobretudo cansaço —

Não disto, nem daquilo, nem sequer de tudo

ou de nada:

Cansaço assim mesmo, ele mesmo,

Cansaço” 

(Poesias de Álvaro de Campos. Fernando Pessoa)

Nestes tempos angustiantes de pandemia, tempos de notícias difíceis, iniciamos a segunda quinzena de abril com 3,034,587 de pessoas mortas em decorrência de complicações da COVID-19, tempo de experenciarmos perdas irreparáveis, perdas reais e simbólicas, perdas inimagináveis que nos levam a vivenciar sentimentos difusos e, muitas vezes, inomináveis. Após um ano de pandemia, estamos todos extenuados fisicamente, psiquicamente e emocionalmente. Estamos todos exaustos!

Recentemente a Organização Mundial da Saúde (OMS) denominou esse estado de exaustação que vivemos de Fadiga Pandêmica. Essa fadiga se deve ao cansaço proveniente do esgotamento gerado pela hipervigilância e pelo medo de um vírus que ninguém vê, mas todos sabemos que está aí, como explica Laura Rojas Marcos, doutora em psicologia clínica em entrevista ao Jornal El País. Basta olhar os dados. Segundo Laura, o Escritório do Censo dos Estados Unidos faz um levantamento semanal sobre a saúde mental dos norte-americanos. No fim de novembro, 69% dos entrevistados confessaram sofrer frequentemente sintomas de nervosismo, ansiedade ou a sensação de se encontrar no limite. No começo da pandemia, esta cifra se situava apenas em 25%.

Continuar lendo

Vida e Morte: será que há vida após a morte? Talvez!

“A morte não é nada. Eu somente passei para o outro lado do caminho.
Eu sou eu, vocês são vocês. O que eu era para vocês, eu continuarei sendo.
É o mesmo de sempre. ‎Há continuidade absoluta e ininterrupta. ‎
Eu não estou longe, apenas estou do outro lado do caminho […] ” (Death Is Nothing At All by Henry Scott Holland – ‎trecho baseado em um sermão pregado na Catedral de São Paulo, Londres, após a morte do rei Eduardo VII‎)

Uma matéria no jornal The Guardian captou minha atenção. Era sobre uma nova série da Netflix intitulada “Surviving Death – Sobrevivendo à Morte”. Esta é uma série/documentário baseada no livro da jornalista investigativa Leslie Kean, que explora histórias pessoais e pesquisas sobre experiências de quase morte, reencarnação e fenômenos paranormais. Como uma estudiosa da morte e do morrer, fiquei curiosa e decidi assistir.

Pude observar ao longo de seis episódios, de aproximadamente uma hora de duração, que a série explora e analisa, por meio de experimentos e da fala de cientistas, acadêmicos, jornalistas, médiuns, religiosos, pacientes, pessoas enlutadas e pessoas da comunidade, sinais e evidências de que há algo para experimentar além do nosso último suspiro.‎ O diretor Rick Stern, por meio dos episódios, construiu uma série muito convincente e reflexiva de que nossa consciência pode continuar existindo além da vida como a conhecemos.

Continuar lendo